Tiempo en movimiento  5 horas 43 minutos

Tempo  9 horas 18 minutos

Coordenadas 19097

Fecha de subida 9 de febrero de 2020

Fecha de realización febrero 2020

-
-
490 m
23 m
0
92
185
369,33 km

Vista 69 veces, descargada 1 veces

preto de Estremoz, Évora (Portugal)

Dia 2/2
Estremoz
Borba
Vila Viçosa
Jerumenha
Olivença
Alandroal
Redondo
Barragem da Vigia
Valongo
Santa Suzana
Barragem de Monte Novo

Link para o dia 2/2: https://pt.wikiloc.com/trilhas-motociclismo/rota-dos-castelos-do-alto-alentejo-dia-i-46507633
foto

Castelo de Borba

"A construção do Castelo de Borba, localizado em zona de grande importância estratégica para as defesas das fronteiras nacionais ao longo do século XIII, arranca possivelmente pouco após a conquista cristã do local durante o reinado de D. Afonso II, em 1217, ainda que de forma muito incipiente. A conquista deste território, bem como de outros no Sul do país, incluindo Alcácer do Sal, Vieiros, Monforte, Vila Viçosa e, possivelmente, Moura, deveu-se à iniciativa privada, e neste caso particular a Fernão Anes, mestre da Ordem Militar de S. Bento de Avis, antiga Milícia dos Freires de Évora, à qual foi entregue a administração de Borba. O povoamento em larga escala da vila não se terá seguido imediatamente à Reconquista, como aliás acontecia com várias localidades da região, até porque a sede da Ordem de São Bento era então o Castelo de Avis, justamente erguido por Fernão Anes; é provável que tenha arrancado mais ou menos a par das tentativas régias (de D. Sancho II) para ocupar definitivamente e povoar a povoação fronteiriça de Elvas, entre 1226 e 1229." (In: http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/73716/)
foto

Castelo de Borba

foto

Borba

foto

Igreja de Nossa Senhora da Conceição, Vila Viçosa

"Frontaria dividida em três tramos, em cada um dos quais se abre um pórtico simples de moldura esquadriada carregado por singelo frontão de cornija triangular. Sobre cada pórtico, encontra-se um janelão retangular de moldura de profundo chanfro. A fachada é dividida por pilastras e o edifício flanqueado por sólida torre quadrada. Tem três naves e cinco tramos de arcadas redondas em colunas dóricas. No interior da igreja destaca-se o revestimento a azulejos policromos." (In: https://www.allaboutportugal.pt/pt/vila-vicosa/monumentos/igreja-de-nossa-senhora-da-conceicao)
foto

Castelo de Vila Viçosa

"O castelo medieval de Vila Viçosa foi construído no século XIII, mas o conjunto foi objecto de múltiplas obras ao longo dos tempos. Da primitiva fortificação resta ainda grande parte da cerca, rasgada por três portas defendidas harmonicamente por pares de torres cilíndricas, como foi usual no período gótico. A partir de 1520, por projecto de um dos arquitectos da família Arruda (Diogo ou Francisco), o castelo foi transformado numa fortaleza de artilharia, de gosto e influência italianos, semelhante ao cenográfico paço-castelo de Évora Monte, saído da mão da mesma estirpe de arquitectos régios. A obra prolongou-se até 1537 e transformou a torre de menagem gótica numa estrutura singular, de planta quadrangular reforçada nos ângulos por torres cilíndricas. No século XVII, na guerra que conduziu à definitiva independência de Portugal, a fortaleza foi objecto de uma grande reforma, repartida por duas fases, ambas resultantes dos projectos do arquitecto francês Vauban: a primeira iniciou-se em 1643 e foi comandada por Pascásio Cosmander; a segunda é o produto da acção do conde de Schomberg, na década de 60. Derradeira intervenção no perímetro muralhado, esta última etapa contou com a construção de revelins e fortins que envolvem a estrutura medieval e também parte da cidade baixa, numa perspectiva defensiva bem diferente e abrangente da que animou as duas anteriores fases de definição deste conjunto militar." (In: http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/69862/)
foto

Vila Viçosa

foto

Fortaleza de Jeromenha

"As primeiras referências ao sítio da Juromenha datam da segunda metade do século IX. Durante mais de duzentos anos este local foi considerado a praça-forte de defesa da zona de Badajoz, pertencendo desde o século X ao Califado de Córdova. Em 1167 D. Afonso Henriques conquistou a fortaleza, mas esta voltaria ao domínio dos mouros em 1191 e só seria definitivamente reconquistada pela Coroa portuguesa em 1242. Mais tarde, em 1312, D. Dinis ordenou a total reconstrução da fortaleza. No período pós-Restauração, devido à sua importância estratégica, a fortaleza medieval foi adaptada à artilharia seiscentista, tendo sido executadas obras seguindo o plano de autoria do Eng. Nicolau de Langres. A partir de 1662 e durante seis anos, foi ocupada pelas tropas de D. João de Áustria, só regressando à posse da Coroa portuguesa na Paz Geral de 1668. Com o terramoto de 1755 a fortaleza foi bastante afetada, principalmente a área de edificação seiscentista, tendo sido então reconstruída. Também se construiu um fortim nas muralhas junto ao Guadiana, para aportarem as barcas. No início do século XIX, durante a Guerra Peninsular foi tomada pelo exército de D. Manuel Godoy, sendo só recuperada em 1808. Depois entrou progressivamente em decadência, sendo despovoada em 1920. Mais tarde, a partir 1950 a DGEMN iniciou grandes obras de recuperação que se prolongaram até 1996. A fortaleza, com planta de modelo poligonal, é constituída por duas cinturas de muralhas, uma interna, onde se situa a torre de menagem, e outra externa, sendo esta de tipo abaluartado, com planta estrelada. No espaço interior da fortaleza foram edificadas as igrejas da Misericórdia e a matriz, e também os antigos Paços do Concelho e respetiva cadeia, e ainda uma cisterna de planta retangular que abastecia a população. Atualmente, no interior do recinto muralhado existem as ruínas das duas igrejas, da cadeia e dos antigos Paços do Concelho. Em termos paisagísticos, a antiga fortaleza possui uma localização privilegiada, no que respeita ao domínio visual dos territórios português e espanhol." (In: https://revive.turismodeportugal.pt/pt-pt/node/729)
foto

Fortaleza de Jeromenha

foto

Fortaleza de Jeromenha

foto

Fortaleza de Jeromenha

Vistas para o rio Guadiana
foto

Fortaleza de Jeromenha

Ruínas da igreja
foto

Fortaleza de Jeromenha

foto

Fortaleza de Jeromenha

foto

Jeromenha

foto

Jeromenha

foto

Ponte da Ajuda

"O monumental Ponte da Ajuda está no rio Guadiana 11 km de Elvas e a mesma distância de Olivença. Foi o cordão umbilical entre o enclave Português de Olivença com o resto de Portugal. Com 380 metros de comprimento, tinha o arco central de mais ampla luz de sua idade. Os seus arcos são apresentados adovelados em granito. Também são construídos neste material os seus aterros e esporas. Quase no centro ainda se preservam os restos de uma torre para defender seu passo. Depois de várias tentativas de reconstrução ao longo da sua história, em 2003, foi parcialmente restaurado, mas deixando para recuperar os seus arcos centrais." (In: http://www.portierrasrayanas.com/pt/inicio/270-olivenza/23018-ponte-da-ajuda.html)
foto

Ponte da Ajuda

foto

Ponte da Ajuda

Vistas do rio Guadiana
foto

Fronteira espanhola, Olivença

foto

Castelo de Olivença

"O "Castelo de Olivença" localiza-se à margem esquerda do rio Guadiana, na povoação de mesmo nome, na província de Badajoz, na Espanha. A soberania sobre este território raiano, vizinho a Badajoz, é objeto de um secular contencioso diplomático entre os dois países - a chamada "Questão de Olivença" -, em cujos termos Portugal reclama a sua devolução desde o Congresso de Viena (1815)." (In: http://fortalezas.org/?ct=fortaleza&id_fortaleza=1216&muda_idioma=PT)
foto

Igreja de Santa Maria do Castelo, Olivença

No século XIV, a igreja pertencia à Ordem de Avis. Em 1309, o então mestre de Avis Frei Lourenço Afonso outorgou ao rei D. Dinis um terço das rendas da igreja e de todas as outras que viessem a ser construídas nas imediações, para ajudar as obras de construção e de manutenção do castelo e suas fortificações, de forma a melhorar a segurança da vila.
foto

Igreja de Nossa Senhora da Conceição, Vila Viçosa

foto

Olivença, Espanha

foto

Olivença, Espanha

Pormenor das ruas
foto

Igreja de Santa Maria Madalena, Olivença

"Este templo, construído no final do gótico chamado manuelino, teve o impulso de D. Manuel e do Bispo de Ceuta, Frei Henrique de Coimbra, quem colocou nele a sua cadeira. Suas colunas retorcidas torná-lo um bom exemplo das descobertas. Para a construção da igreja foi criado um novo imposto chamado Imposto sobre o rendimento, a tributação da venda de peixe, carne e óleo. O templo foi construído em estilo manuelino, que faz parte de um gótico tardio e se distingue por seus elementos decorativos e naturalistas que inclui elementos marinheiros." (In: http://portierrasrayanas.com/pt/inicio/228-pontos-de-interesse/visitas-guiadas/85181-igreja-de-santa-mar%C3%ADa-magdalena.html)
foto

Olivença, Espanha

foto

Castelo do Alandroal

"Situado no ponto mais elevado da vila do Alandroal, o Castelo do Alandroal é uma construção militar do final do século XIII. Esta fortaleza medieval é uma típica fortificação gótica, de planta tendencialmente oval, com torre de menagem adossada à cerca e porta principal, a designada Porta Legal, protegida por duas torres quadrangulares, ligeiramente avançadas para permitir um maior raio de tiro vertical sobre a entrada. A torre de menagem é uma estrutura de planta quadrangular dividida por três pisos, cujo acesso ao interior se encontra entaipado. A esta adossou-se, algum tempo depois, a igreja matriz da localidade e, já no século XVIII, o seu terraço foi aproveitado para implantar uma torre do relógio. Originalmente, o castelo integrava um pequeno bairro dentro do espaço muralhado, cuja malha urbana consistia numa única via - a Rua do Castelo - disposta no sentido oeste-este, e flanqueada por duas portas, a já referida porta principal, ou Legal, e a do Arrabalde." (In: http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/70281/)
foto

Castelo do Alandroal

"O castelo gótico do Alandroal é uma das obras de arquitetura militar do reinado de D. Dinis mais bem datadas, graças a duas inscrições, comemorativas do arranque e da conclusão dos trabalhos de construção. A primeira data de 6 de Fevereiro de 1294 (Barroca: 2000, vol. 2, t.1, p. 1108-1113) e encontra-se sobre uma das portas da fortaleza; por ela sabemos que o promotor do projeto foi o Mestre da Ordem de Avis, D. João Afonso, que colocou a primeira pedra nessa data. A segunda corresponde ao dia 24 de Fevereiro de 1298, sendo mestre da Ordem D. Lourenço Afonso, e localiza-se no alçado ocidental da Torre de Menagem (atualmente integrado na Sala do Tesouro da igreja matriz) (Idem, p. 1140-1144)." (In: http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/70281/)
foto

Torre de Menagem de Redondo

"Obra mandada edificar por D. Afonso V, quase no fim do seu mandato. Supõe-se que foi acabada em 1481, já que esta foi uma obra extremamente contestada pelo povo, dada a determinação de uma coleta aplicada sobre os vinhos de Évora. Contudo, a obra terá sido concluída no reinado de D. Manuel II, conforme pode atestar-se através da abóbada do segundo piso." (In: https://www.allaboutportugal.pt/pt/redondo/monumentos/torre-de-menagem-de-redondo)
foto

Albufeira da Barragem da Vigia

"O espelho de água da albufeira da Vigia fica localizado entre as freguesias de Redondo e Montoito. As principais linhas de água afluentes são, além da ribeira de Vale Vasco, a ribeira da Alcorovisca, a ribeira da Casa Branca e o ribeiro de Vale Figueira. A cerca de 2km a montante da barragem,a Albufeira divide-se em dois grandes braços, alcançando o seu comprimento máximo de 6 km ao longo do vale da ribeira da Alcorovisca. É de realçar nas margens da Albufeira da Vigia o sistema agro-silvo-pastoril que contribui muitas vezes para a diversidade da fauna que encontra nestes habitats locais de alimentação, de refúgio e de reprodução. Nas margens da barragem, em particular nos tramos mais a montante, é frequente encontrarmos uma grande diversidade de espécies de avifauna típicas de contextos estuarinos e de sapais." (In: http://www.cm-redondo.pt/pt/site-viver/Ambiente/Fauna%20e%20Flora/Paginas/Barragem-da-Vigia.aspx)
foto

Castelo de Valongo

"Construção medieval, trecentista, erigida sobre uma fortificação muçulmana como é atestado pelo artigo de António Rei " na revista "Cidade de Évora", verificando-se ainda, no interior do castelo a existência de algumas inscrições islâmicas. O monumento possui planta quadrada, consolidado nos ângulos por quatro torres, com adarve protegido por sólidas ameias, estas também de secção quadrangular. A torre de Menagem, de três registos, assentes sobre abóbadas em tijolo de cruzaria de ogiva, virada a Oeste, possui uma outra, de menores dimensões adossada à sua caixa murária, onde se rasga, uma entrada lateral. As seteiras existentes, de tipologia tipicamente medieval, atestam uma fase re-construtiva do monumento que remete para os séculos XIV e XV." (In: http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/70385/)
foto

Castelo de Valongo

foto

Albufeira da Barragem de Monte Novo

A albufeira de Monte Novo é a principal origem de água para abastecimento das populações dos concelhos de Évora, Mourão e Reguengos de Monsaraz.
foto

Albufeira da Barragem de Monte Novo

Pôr-do-sol
foto

Albufeira da Barragem de Monte Novo

Monte alentejano

Comentarios

    Si quieres, puedes o esta ruta